Essa segunda parte vai surpreender os que acreditam que apenas empresas com negócios internacionais precisam contratar profissionais de Relações Internacionais.

Hoje, sinto dizer, sua concorrência não é mais nacional e mesmo que sua empresa não tenha perspectiva de exportar ou ter clientes em outros países, ainda assim, é preciso se adequar aos níveis internacionais e seguir sua concorrência [e trabalhar para você mesmo ser a referência para eles].

E não é preciso esperar a concorrência assustar para se mexer.

Conhece marcas nacionais que parecem vir de fora? Existem várias que estão tão preparadas para a concorrência externa que nem parecem ser brasileiras. Empresas que seguem standards internacionais, chegam a confundir nossas cabeças.

Por isso, se você quer sobreviver em futuro não muito distante: si vis pacem, para bellum.

Basicamente, não é mais necessário ter atuação além das fronteiras nacionais para ter atitude internacional. Sua empresa pode ter apenas clientes locais ou regionais, mas sua concorrência pode ter expertise internacional, marcas com ressonância externa e clientes que procuram serviços/produtos ‘tipo exportação’.

E, mesmo que sua empresa tenha um produto único, que não tenha nenhum concorrente no mercado, não se surpreenda se um dia encontrar uma empresa asiática oferecendo um produto exatamente igual ao seu por uma fração do preço e com direitos sobre diversas patentes.

Já conheci casos como esse.

Recapitulando, mesmo que uma empresa não tenha nenhuma expectativa de exportar ou oferecer seus serviços para um clientes em outros países, as pessoas, ainda assim, procuram por selos de qualidade e “padrão internacional” e vão preferir seu concorrente. Considere se preparar para a guerra.

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de cem batalhas. Se você se conhece mas não conhece o inimigo, para cada vitória ganha sofrerá também uma derrota. Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, perderá todas as batalhas. (Sun Tzu)

Além da concorrência, os clientes também se tornaram mais exigentes e sabem que sua empresa virou presa fácil. A antiga fidelidade do consumidor, lamento dizer, está desaparecendo de forma acelerada.

Adote uma estratégia nível Nubank, que procura fidelizar e trazer um nível de serviço ao consumidor sempre superior ao que é encontrado no mercado. Você precisa correr atrás da mudança urgentemente.

Sua empresa pode não ser uma multinacional, mas o cliente espera um serviço cada vez melhor e que o faça sentir orgulho de ver o Made in Brazil estampado. Por isso, considere contratar e formar uma equipe com analistas de Relações Internacionais.

Características do Analista de Relações Internacionais 

Entre os profissionais que podem trabalhar para o fortalecimento da empresa, está o analista de Relações Internacionais. Para lidar com essas questões levantadas anteriormente, ninguém melhor que um profissional com conhecimento de temas internacionais.

O internacionalista pode conduzir diversos estudos de mercado e traçar estratégias para preparar a empresa para diversos cenários de concorrência externa. O internacionalista pode conduzir o registro de patentes e padronização da marca, assim evitando constrangimentos de disputas por patentes e surpresas vindas de fora.

Esse profissional pode trabalhar na estratégia comercial da empresa, valorizando a marca e a empresa, sem se afastar dos consumidores e sem apagar a história e a tradição. O internacionalista pode trabalhar com storytelling dentro da reformulação que for conduzida. Sua história é uma das principais armas para lidar com a concorrência externa e os consumidores gostam de ver produtos locais que pensam nisso.

Aos poucos, a própria empresa pode ganhar a confiança necessária para embarcar em um processo de internacionalização. Certamente novas oportunidades vão aparecer, pois clientes internacionais vão passar a notar o trabalho que está sendo feito.